dia

dia 21

23:26


não é que
não era
amor
mas talvez
não era
mesmo
talvez era
só apego
quem sabe
substituição

sabe o que
também pode ser?
simplesmente
uma indução

vai ver era
sequência
não era amor
mas era
próximo

não é que
não era
amor
mas talvez
cada vez
era mais
próximo
cada vez
próximo
amor

não é que
não era
amor
era seguinte
era amor
mais um

não é que
não era
amor
mas também
não era fim
não era limite

não é que
não era
amor
mas talvez
não era mesmo
talvez era só
carência
matéria

ou justamente
abstração
talvez era
sensação
amor próximo
tão próximo
quase o mesmo

não é que
não era
amor
convenhamos
que mal e mal
poesia
virou

talvez era só
o frio
o inverno
que começou

não é que
não era
amor
mas mesmo se
foi só sonho
ilusão
se serviu pra inspiração
eu já coloco
alguma fé

não é que
não era
amor
mas que se foda
agora é

cartas ridículas

Topologia das cartas fechadas

13:35

Meu amor,

Até parece que as minhas cartas de amor preferidas são aquelas que são pra você. E olha que eu nem deveria escrevê-las, mas como bom aquariano que não sou, eu escrevo. O que mais eu poderia fazer? A essa altura do campeonato, você já pode ter percebido que eu prefiro cartas borradas de lágrimas a cartas não escritas. Ainda mais quando o destinatário é você. Você, meu amor, não vale uma carta não escrita. Você não vale a tinta não gasta da caneta roxa. Você não vale uma frase de amor não dita sequer. Você não vale uma palavra não rimada no final de um poema não feito. Você é um porre daqueles.
Morte de amor não é assassinato, não é suicídio e nem eutanásia. Morte de amor é acidente. Como que uma coisa dessas acontece? Você, meu amor, tem alguma resposta? De tanta gente no mundo, é você que eu quero materializar aqui do meu lado. Aqui na minha cama, pra esquentar essa noite fria. Depois de você, os pijamas compridos viraram obsoletos. Mesmo a saudade, mesmo a dor de amor, mesmo se for aquela dor que eu escutava os cantores cantando no rádio da minha avó, mesmo isso já me basta. E mesmo se for raiva. Até a tua indiferença, para não dizer a tua própria existência, já me aquece. Ah, meu amor, você não vale um suspiro não dado sequer. Você não vale a ausência do aperto. Você não vale a sua falta não sentida. O que falta em você, meu amor, é amor. O que faltava em mim era você, mas continua faltando. Afinal, o que seria de mim sem a falta tua?
A carta não acaba pra morrer. Ela acaba pra poder existir. Eu não ia deixar de escrever essa carta, mas você, meu amor, pode muito bem deixar de ler.

Eu espero que não deixe,
Seu amor.